quarta-feira, 30 de maio de 2018

O Homem de Giz - C.J.Tudor - Opinião - Editora Planeta

Sinopse: O livro de estreia de C. J. Tudor é um thriller com uma atmosfera densa e viciante que se passa em dois registos, em 1986 e nos nossos dias.
A história começa em 1986 e, após um hiato de trinta anos, o passado surge para transformar a vida de Eddie.
As influências de Stephen King e o toque de Irvin Welsh, conferem ao livro não só um tipo de narrativa diferente como um suspense ao limite.
O que contribui para que a história tenha um desfecho muito real e chocante.
O Homem de Giz conta-nos a história de um grupo de crianças, não poupando nos pormenores sociais onde estão inseridas e em como as influências de famílias disfuncionais contribuem para exacerbar o imaginário infantil.
A história começa quando aos doze anos Eddie e os amigos tiveram contacto com o misterioso Homem de Giz. Uma personagem central na trama e Eddie será assombrado por ela.
As estranhas figuras de giz conduzem Eddie e os amigos a um cadáver de uma rapariga pouco mais velha que eles e esta descoberta irá marcámos para sempre. Tudo aconteceu há trinta anos, e Eddie convenceu-se de que o passado tinha ficado para trás. Até ao dia em que recebeu uma carta que continha apenas duas coisas: um pedaço de giz e o desenho de uma figura em traços rígidos.
À medida que a história se vai repetindo, Eddie vai percebendo que o jogo nunca terminou

Opinião: Um cruzamento entre uma história de amadurecimento e medos da infância, a escritora mistura experiências universais da infância . Os leitores conhecem o personagem principal Eddie quando ele é um menino a crescer numa pequena cidade com uma gangue de amigos. Eddie lida com dinâmicas de grupos de amigos, valentões, tendo um crush por alguém e testemunhando um acidente brutal, encontrando um corpo na floresta, figuras de giz misteriosas (e assustadoras) e muito mais, isso contribui para uma mistura inquietante e imersivo do mundano e do chocante.
Peculiar e bem-intencionado a personagem principal Eddie é um pouco excêntrica, da sua aparência à sua aparente capacidade de dar o melhor de si, mas ainda assim não acertar nas coisas, Eddie é um personagem envolvente e genuinamente interessante, as suas esquisitices variam de peculiares a preocupantes a francamente chocantes.
A escritora ao longo desta história consegue conjurar momentos de expectativa como o humor e ternura
Movendo-se perfeitamente entre o final dos anos 80 e o presente, o homem de giz captura todos os elementos deliciosos necessários para momentos de gelar o sangue, com personagens bem realizadas, um enredo forte, guiado por histórias, baldes de medo e intrigas, e uma pitada de realismo corajoso.
Sem dúvida que aconselho para quem quer passar umas boas horas cheias de suspense e intrigas.







segunda-feira, 21 de maio de 2018

O Toque do Highlander - Karen Marie Moning - Opinião - Editora Saída de Emergência



Sinopse: Ele desafiaria os limites do tempo por uma noite nos braços dela…

UM GUERREIRO DE PODERES IMORTAIS
Ele era um poderoso guerreiro escocês que vivia num mundo movido por antigas leis e magia intemporal. Mas nada poderia preparar o laird do Castelo Brodie para a encantadora e amaldiçoada jovem que jazia diante dele. Um terrível golpe do destino tinha-a feito recuar 700 anos no tempo para a sua câmara privada, a tentá-lo com a sua beleza — e a seduzi-lo com um desejo que ele jamais lograria saciar. Pois esta mulher que ele ardia por possuir era igualmente a mulher que ele recusara destruir.
UMA MULHER APANHADA NAS BRUMAS DO TEMPO
Quando Lisa sentiu a terra mover-se sob os seus pés, a feroz e independente mulher do século XXI jamais sonhou que estivesse a cair… direita a outro século. Mas o poderoso guerreiro nu que jazia postado de olhos fulgurantes nela era simplesmente demasiado real… e perigosamente arrebatador. Irresistivelmente atraente, sem dúvida... mas Lisa não tinha intenção de permanecer nesta bárbara terra dilacerada por guerra e traição. Como poderia ela saber que o seu sedutor captor tinha outros planos para ela? Planos que a salvariam de um trágico destino? E como poderia saber que este homem que há muito renunciara ao amor desafiaria o próprio tempo para a reclamar?

Opinião:A vida de Lisa Stone, de repente dá uma revira volta quando o pai morre e passa de ter uma boa vida para ter que trabalhar em dois empregos, para se sustentar a si própria e à sua mãe que está em estado terminal devido a uma cancro. Durante o dia Lisa é empregada de mesa e durante a noite faz limpezas num museu e numa noite em particular, chega ao museu um artefacto com poderes inacreditáveis e quando Lisa toca nele volta no tempo 700 anos.
Mas este acontecimento, não augura nada de bom para Lisa, umas vez que o imortal Laird de Brodie Circenn, prometeu matar quem aparecesse com o frasco que ele amaldiçoou para poder recuperá-lo. Mas Circenn não consegue cumprir essa promessa depois de conhecer Lisa, e fica com receio sobre o que acontecerá quando Adam Black um ser preverso souber que Circenn não manteve a sua promessa.
Lisa desobedece a tudo o que Circenn lhe pede, e muitos são os esquemas que Circenn tem que arranjar para salvar Lisa de um destino mais cruel.
Ao longo do livro, Lisa e Circenn compartilham uma forte atracção física, que os faz esquecer de tudo e de todos, mas Circenn tem receio em contar sobre a sua imortalidade, e a razão porque Adam Black continua a aparecer na sua vida, foi também interessante a aparição dos templários neste livro.
As circunstâncias trágicas na vida de Lisa colocam a trama em movimento, mas ela é mais definida pelo que acontece com ela do que pela sua própria personagem. Consegue alternar entre ser corajosa (quando se trata de suas tentativas repetidas de escapar) e apaixonada principalmente por tudo o que a move em relação à sua mãe.
É uma história leve, mas sinceramente não tão divertida e com personagens principalmente o masculino não tão interessantes, a escrita em si por vezes torna-se exagerada e por vezes com cenas que parecem não existir além de adicionar drama à história.






terça-feira, 15 de maio de 2018

Novos na estante - Abril





Com alguns dias de atraso aqui estão as aquisições de Abril, aproveitei no Awesome Books e comprei grande parte dos livros da Karen Rose que estavam super baratos, como tinha muita curiosidade sobre a série Splintered da  A.G. Howard e encontrei a preços bem simpáticos aproveitei, depois decidi adquirir o último livro da Tessa Dare da série Spindle Cove e por fim o segundo livro da série Playful Brides da Valerie Bowman,


O que acharam das aquisições? Já leram algum ?





quinta-feira, 10 de maio de 2018

Refúgio - R.A. Salvatore - Opinião - Editora Saída de Emergência



Sinopse: Depois de escapar da sociedade cruel e vingativa de Menzoberranzan, a sua cidade natal escondida nas profundezas da terra, Drizzt inicia uma nova aventura num mundo inteiramente diferente. Desta vez na superfície, sob a luz revigorante de um sol que o fascina e rodeado por florestas frondosas e mil e um segredos para descobrir. Mas esse novo mundo também pode ser hostil e, pior, os elfos negros não desistiram de o caçar. Poderá Drizzt encontrar refúgio longe das trevas que rodeiam a sua raça e integrar-se num mundo que o olha com desconfiança e temor? Não perca a dramática conclusão da trilogia do Elfo Negro.
Venha descobrir Drizzt, o elfo negro, uma das personagens mais lendárias da fantasia. E acompanhe-o na épica e intrépida jornada para longe de um mundo onde não tem lugar… em busca de outro, na superfície, onde talvez nunca o aceitem.

Opinião: Refúgio é a terceira parte da trilogia do elfo negro, baseada no cenário Forgotten Realms parte do mundo de Dungeons and Dragons. Desde o começo, Refúgio remete-nos rapidamente para o mundo de Salvatore, uma sensação de épico é veiculada nas primeiras páginas e fica cada vez mais forte ao longo do mesmo.
No terceiro livro, após escapar da tentativa de assassinato por parte da sua mãe, Drizzt sai do mundo subterrâneo e decide viver na superfície onde certamente enfrentará a discriminação devido à sua raça mas espera superar e melhorar a sua vida. A primeira aventura vem quando encontra um grupo de Gnolls e decide matá-los ao invés de ajudá-los a matar e comer uma família de aldeões.
Com Drizzt, Salvatore tenta moldar uma personagem que enfrenta a luta interna, Drizzt não deve só quebrar o molde da sua própria raça mas também para o seu próprio género de ficção. Refúgio rapidamente desliza para a batalha entre o bem e o mal, os heróis têm que ser os bons e os vilões os maus uma fórmula tão simples como isso.
Ao longo do livro, vamos acompanhado o nosso herói nas várias aventuras, e na tentativa de se adaptar e ser aceite,
Boa parte da livro é dedicada a impressionar o leitor com a bondade do Drizzt e a maldade dos seus adversários. A tensão entre as duas partes constrói-se até finalmente culminar numa batalha.
Drizzt caminha num mundo de seres fracos ele próprio não muito diferente dos deuses da mitologia grega, tentando encontrar um lugar entre os mortais, Drizzt busca desesperadamente a confiança e aceitação, mas as suas boas intenções geralmente são recebidas com medo e rejeição.
Se o segundo livro já me tinha um pouco desiludido este então achei a sua história muito morna, senti falta das épicas batalhas, de todo o negro que estava no primeiro livro e gostaria de ter sabido o que tinha acontecido à sua família.
Em vez de prender os leitores a alguns personagens fortes, Salvatore apresenta um grupo de protagonistas e vilões diversos, mas não desenvolvidos. A grande variedade de personagens é interessante, mas parecem-se mais com elementos de cenário do que com indivíduos duradouros ou identificáveis.



























segunda-feira, 23 de abril de 2018

Highlander - O Domar do Guerreiro - Karen Marie Moning - Editora Saída de Emergência



Sinopse: Ele nascera num clã de guerreiros de força sobrenatural, mas Gavrael McIllioch abandonara o seu nome e o seu castelo nas Highlands, determinado a escapar ao sombrio destino dos seus antepassados. Ocultando a sua identidade do implacável clã rival que o perseguia, adotou o nome de Grimm para proteger as pessoas de quem gostava, jurando jamais admitir o seu amor pela arrebatadora Jillian St. Clair. Contudo, mesmo de longe, ele velava por ela, e quando o seu pai o intimou com urgência, "Vem por Jillian", ele correu para o seu lado — a competir pela sua mão em casamento.
Porque fugira ele dela há tantos anos? E para quê retornar agora para a ver oferecida como prémio no jogo manipulador de seu pai? Furiosa, Jillian jurou jamais se casar. Mas Grimm era o homem que ela amava, aquele mesmo que a incitava a desposar outro. Ele procurava simular indiferença enquanto ela o tentava, mas não pôde negar os ferozes desejos que o impeliram a arrebatá-la à força do altar.
Ela era a única mulher capaz de domar a besta enraivecida dentro dele — ainda que inimigos mortais maquinassem enquanto isso para os destruir a ambos...



Opinião: No Domar do Guerreiro, conhecemos a história de Grimm personagem que já tinha aparecido no primeiro livro,
Grimm é chamado para ir a Caithness por Laird Gibraltar St. Clair, Gibraltar enviou uma intimação urgente para Grimm, onde apenas escreveu "Venha para Jillian", sem qualquer hesitação Grimm corre para o lado de Jillian em Caithness, sem que este soubesse Grimm foi chamado para uma competição para ganhar a filha de Gribraltar Jillian, em casamento, embora Grimm tivesse prometido não ter qualquer sentimento por Jillian, o seu juramento de protegê-la não era algo a que ele pudesse virar as costas.
Sob o exterior áspero e duro de Grimm, há um homem que trabalhou meticulosamente para esconder o seu passado e a sua verdadeira identidade. Gavreal Roderick Icarus McIllioch, o único filho do Laird de Maldebann, nasceu numa linha lendária de guerreiros, Berserkers, conhecidos pela sua força sobrenatural e bruta. Os Berserkers foram os guerreiros mais destemidos e temidos na Escócia.
Depois de testemunhar o massacre da sua família e de pessoas atacadas violentamente pelo clã MacKane (um clã cujo objetivo principal era livrar o mundo de Berserkers), Gavreal chama os Deuses para torná-lo um Berseker, envergonhado do que acreditava ter-se tornado e das suas capacidades brutais de guerreiro, Gavreal foge da sua casa e usa o nome Grimm Roderick para se proteger de tornar-se o monstro que o seu próprio pai se tornou e evitar que o clã MacKane o mate.
Jillian St Clair decidira que nunca se casaria a menos que fosse com seu primeiro amor, Grimm Roderick, por isso o seu pai acabou por convocar mais dois pretendentes Quinn de Moncrieffe e Ramsay Logan, para competir pela sua mão em casamento. Jillian aproveita a oportunidade que o seu pai deu para que Grimm note a mulher em que se tornara e não a adolescente que este havia abandonado cinco anos antes. Logo depois que ele chega em Caithness, Grimm tenta desesperadamente esconder os seus verdadeiros sentimentos por Jillian e volta a tratar Jillian com desprezo, será que a sua estratégia vai dar certo?
A química que o nosso herói e heroína compartilham é inegável e a sua devoção mútua é admirável, estes permaneceram fiéis ao seu amor e devoção um pelo outro depois de compartilharem um beijo apaixonado e devastador anos atrás.
Um dos aspectos positivos da autora é que ela não nos apresenta apenas heróis belos e lendários, mas homens que têm os seus próprios passados ​​cheios de segredos e amarguras que fazem sentir-nos atraídos por eles, acabamos por sentir as emoções e os conflitos de cada um
O desejo de Grimm de amar Jillian, mas também de mantê-la protegida do que acreditava ser, era doloroso e a sua jornada para a auto-descoberta e desenterrar os segredos da sua família foi muito interessante de ir acompanhando.
Em suma este tipo de livro além de todas aquelas cenas quentes que a autora nos vai dando ao longo do livro, acaba por ter bons ingredientes em termos de romance, mistério, sobrenatural tudo bons pretextos para passar umas boas horas, para quem gosta deste tipo de género de livros são uma boa aposta.




terça-feira, 10 de abril de 2018

Highlander - Para além das brumas - Opinião - Editora Saída de Emergência


Sinopse: Um Laird fascinante. Ele era conhecido por todo o reino como Açor, lendário predador de campos de batalha e alcovas. Não havia mulher capaz de recusar o seu toque, mas mulher alguma lhe fizera jamais estremecer o coração — até uma vingativa fada trazer Adrienne de Simone, aos trambolhões, da Seattle dos tempos atuais para a Escócia medieval. Cativa num século que não era o seu, ousada até mais não, sem papas na língua, ela era um desafio irresistível para o conquistador do século XVI. Coagida a casar-se com Açor, Adrienne jurou mantê-lo à distância — mas a sua doce sedução devastou tal resolução.

Uma prisioneira no tempo
Ela tinha um perfeito "não" nos seus perfeitos lábios para o famigerado laird, mas Açor jurou que ela haveria de sussurrar o seu nome com desejo, implorando a paixão que ele ansiava por inflamar dentro dela. Nem mesmo as barreiras do tempo e do espaço o deteriam na conquista do seu amor. Apesar da sua incerteza quanto a seguir os impulsos do seu coração apaixonado, as reservas de Adrienne não igualavam a determinação de Açor em mantê-la ao seu lado…

Opinião: O livro inicia com a rainha das fadas a elogiar, um mortal chamado Açor ao seu Rei e ao bobo da corte. Açor é conhecido como um lendário guerreiro e amante de centenas de mulheres, onde as suas qualidades fariam inveja a qualquer homem. O rei ciumento que a sua rainha deseje um mero mortal, ordena ao bobo da corte Adam Black uma forma de punir Açor, assim sendo Adam pondera que o melhor castigo era arranjar uma mulher que resistisse a Açor.
Conhecemos então Adrienne, uma mulher do século XX cujo o seu passado recente faz com que jure não se enamorar novamente de homens bonitos, mas numa noite estranha esta é arrancada da sua casa em Seattle e acaba por cair no colo de um homem no século XVI Red Comyn. Pensando que Adrienne foi algum tipo de milagre que caiu do céu Red Comyn coage Adrienne a passar-se pela sua filha recentemente morta a casar-se com Açor de forma a cumprir uma ordem do rei James.
Nenhuma das partes está interessada no casamento arranjado, Açor até envia seu melhor amigo Grimm, como representante do seu casamento, é claro que Açor e Adrienne são instantaneamente atraídos um pelo outro, mas nenhum deles está ansioso ou disposto a admitir isso no inicio. Para piorar a situação, Adam Black decidiu colocar-se na equação e tenta atrair Adrienne.
Este livro é  uma mistura maravilhosa de magia, humor, coisas sobrenaturais e viagens no tempo, tudo embrulhado dentro de um romance medieval.
 Os protagonistas são verdadeiramente multidimensionais, Açor é um exemplo de um verdadeiro macho alfa, é bonito, forte, masculino em todos os sentidos, mas tem um passado que o torna vulnerável. Adrienne é linda, forte e independente, uma mulher desprezada durante a sua vida presente,  mas que se reencontra no passado.
Um ponto negativo que não posso deixar de apontar, a tradução em português do Brasil acaba por vezes por atrapalhar a leitura. 
Em suma o livro tem todos os elementos de um bom romance, com uma grande mistura de encantamento, tensão sexual e bons protagonistas, se gosta deste tipo de livros pegue nesta série.

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Novos na Estante



Este mês mais uma vez foi a loucura em termos de novas aquisições, entre promoções e bons achados, estes foram as entradas em português.



Em inglês, estas foram as pechinchas que vieram cá parar aproveitei para comprar os livros referentes a séries que deixaram de ser publicadas cá em Portugal.