segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Jogos Cruéis - Angela Marsons - Opinião - Quinta Essência



Sinopse: Quanto mais negro é o coração, mais mortífero é o jogo...
A inspetora detetive Kim Stone está de volta. Em causa está a morte macabra de um violador. À primeira vista, não é um caso complicado, pois tudo aponta para a vítima da violação. Mas, para a incansável detetive, há algo que não bate certo...
A sua intuição rapidamente prova estar certa. As mortes sucedem-se. Por detrás de todas elas, um só motivo: vingança. Kim tem pela frente um adversário admirável. Alguém que está a realizar fantasias letais. Um sociopata que parece conhecer intimamente as fraquezas da detetive. E que não planeia parar.
Kim percebe que se deixou enredar num perigoso jogo do rato e do gato... e que terá de descer ao inferno para solucionar este caso. E desta vez... é pessoal.
Angela Marsons, a estrela em ascensão do policial britânico, regressa com um romance que o vai fazer desconfiar de tudo e de todos...

Opinião: Já tinha gostado imenso do primeiro livro desta série, e este livro mais uma vez não desilude. Em Jogos Cruéis voltamos a ter contacto com a detective Stone, que conduz uma investigação perturbadora, esta consegue resgatar duas crianças de uma cave de um pedófilo e desde a primeira página o ritmo é emocionante e é mantido ao longo do livro através de reviravoltas emocionantes.
Quando um violador é encontrado morto de forma brutal, Stone e a sua equipa vão descobrindo cada vez mais eventos sinistros, no entanto as coisas vão avançando de forma muito lenta. Ao longo do livro temos também contacto com a psiquiatra Drª Alexandra Thorne, e é uma personagem muito bem construída e o seu envolvimento na trama trouxe elementos muitos fascinantes.
Em jogos cruéis vamos conhecendo mais factos sobre a história de Stone e como esta moldou a sua personalidade devido ao que passou e devido às suas experiências de infância a detective mostra uma grande empatia, em relação ás crianças que resgatou na adega. Nesta investigação Stone encontra-se numa batalha com um sociopata inteligente e muito perigoso, que se delicia com jogos muitos cruéis.
Esta é uma leitura muito viciante, com temas sombrios como o abuso, corrupção e exploração, mas o facto de encontrarmos também personagens de bom carácter é bom para equilibrar a história e tornar o enredo mais credível. A história e as numerosas revelações chocantes, fazem-nos questionar algumas coisas tal como se o mal e a sociopatia são determinados biologicamente ou ambientalmente, além disso a trama levanta a questão se é possível recuperar de trauma e abuso.
Em suma sem dúvida que aconselho esta série, é uma leitura frenética com bons ingredientes e com personagens muito interessantes, ansiosa pelo próximo.




Leitura com o apoio da Editora Quinta Essência.















quinta-feira, 26 de outubro de 2017

A Terceira Mulher - Lisa Jewell - Opinião - Topseller





Sinopse: Todos temos segredos, e os segredos têm consequências.
Adrian Wolfe tem duas ex-mulheres, cinco filhos e demasiada bagagem.
Mesmo assim, ele e a sua terceira mulher, Maya, vivem em harmonia com a sua extensa família? Até que Maya morre inesperadamente e sem explicação. Um ano depois, as circunstâncias bizarras da sua morte continuam a atormentar Adrian: terá sido mesmo acidente? Ou suicídio? Teria Maya razões para tirar a sua própria vida?
Tentando ultrapassar o luto, Adrian decide investigar e descobre segredos perturbadores que o levam a passar em revista a relação com as ex-mulheres e os filhos. De repente, a frágil bolha de felicidade que envolvia a sua esquizofrénica família rebenta. Nem tudo é o que parece com os Wolfes. E quanto mais defeitos Adrian descobre na sua vida aparentemente perfeita, mais ele se questiona: será que algo ou alguém levou Maya à beira do precipício?
Um romance intenso sobre famílias modernas, que o deixará completamente agarrado aos seus segredos.

Opinião: Maya é a terceira mulher de Adrian, e esta é introduzida no livro, enquanto bêbada anda às voltas nas ruas de Londres, se inicialmente os seus pensamentos eram cheios de luzes coloridas e risos, escurecem quando pensa em voltar para o seu marido, mas então acontece a tragédia e acaba por morrer atropelada.
Após a morte inesperada de sua terceira esposa, Maya, Adrian parece afundar-se em desgosto para a consternação de suas duas ex-esposas, Susie e Caroline, e seus cinco filhos. De forma a iniciar um novo começo, Adrian decide adotar o gato de Maya e quando  coloca um anúncio, uma mulher atraente chamada Jane responde. Pela primeira vez em meses, Adrian começa a sentir-se vivo, mas Jane desaparece de sua vida tão rápido quanto chega deixando apenas um telefone.
À medida que as semanas passam, Adrian tenta encontrar Jane e as suas suspeitas são despertadas quando o seu filho mais velho, Luke, encontra uma pasta no computador de Adrian cheio de correio de ódio dirigido a Maya. Sempre intrigado com a morte de Maya, Adrian fica consternado quando percebe que o conteúdo dos e-mails prova que o culpado era alguém na família ou perto dele. Quem quereria Maya morta?

Ao revelar os últimos meses de Maya, a escritora levanta lentamente as camadas desta família aparentemente perfeita e revela os fundamentos muito instáveis abaixo dos quais para mim é a parte mais interessante do romance. Enquanto a maior parte da narrativa é contada a partir do ponto de vista de Adrian, os parágrafos narrados pelos seus filhos de diferentes idades são os mais reveladores e aprendemos lentamente que Adrian tem se enganado sobre a harmonia dentro da sua família.
Quando todas as revelações surgem,  Adrian percebe que é o único que deve ser responsabilizado pela infelicidade e eventual morte de Maya. Resolvendo melhorar toda a situação, Adrian finalmente começa a ouvir os seus filhos e remendar as coisas com Caroline a sua segunda esposa, que agora acredita ser o amor de sua vida. Considerando a quantidade de dor que Adrian causou, acho que acaba por ter um final muito leve.
Embora o enredo seja complexo a Terceira Mulher é um livro fácil de ler, as personagens são interessantes e gosto como a escritora acaba por construir famílias aparentemente perfeitas, são lentamente reveladas como sendo o oposto.






sábado, 23 de setembro de 2017

A Sereia - Kiera Cass - Opinião - Marcador



Sinopse: Anos atrás, Kahlen foi salva de um naufrágio pela própria Água. Para pagar sua dívida, a garota se tornou uma sereia e, durante cem anos, precisa usar sua voz para atrair as pessoas para se afogarem no mar. Kahlen está decidida a cumprir sua sentença à risca, até que ela conhece Akinli. Lindo, carinhoso e gentil, o garoto é tudo o que Kahlen sempre sonhou. Apesar de não poderem conversar — pois a voz da sereia é fatal —, logo surge uma conexão intensa entre os dois. É contra as regras se apaixonar por um humano, e se a Água descobrir, Kahlen será obrigada a abandonar Akinli para sempre. Mas pela primeira vez em muitos anos de obediência, ela está determinada a seguir seu coração.

Opinião: Depois de ter lido a saga A Seleção, era com alguma expectativa que esperava este livro, e sendo sobre sereias ainda mais me aguçava o apetite.
Acabou por ser uma leitura diferente, e com alguns pontos para refletir, um deles foi o relacionamento entre as sereias, acabaram por demonstrar uma união, cumplicidade, sempre sem terem um comportamento negativo umas com as outras, acabando por se protegerem mesmo contra a criadora das mesmas a Água, que acabou por ser um personagem difícil de digerir, por toda a ideologia que a regia.
Um outro ponto, foi a devoção, uma crença que as sereias demonstravam por Água, parecendo quase que pertenciam a uma religião, falando várias vezes do valor do perdão, acabando por dar uma maior profundidade à história.
A nossa protagonista, Kahlen, acaba por ser obediente e rebelde ao mesmo tempo, acabando por lutar pelo amor de Akinli levando-nos a gostar do equilíbrio das características que a personagem demonstra.
A Sereia é um bom twist para as tradicionais histórias destes seres mitológicos pois além de serem belas, estas são um instrumento para matar.
Em suma, não é um livro de pensamento profundo, mas uma histórias que nos envolve na base dos valores da união, amor, cumplicidade, amizade, se precisa de uma pausa dos livros de guerra, este é uma boa solução.





Leitura com o apoio da Editora Marcador










quinta-feira, 17 de agosto de 2017







Sinopse: Poderão duas pessoas unidas pela tragédia admitir a verdade, mesmo que implique arruinar as suas vidas?Lillian Linden é uma mentirosa. À superfície, aparenta ser a sobrevivente corajosa de um acidente de avião. Mas tem vindo a mentir à sua família e ao resto do mundo desde que os helicópteros de salvamento a resgataram a si e a Dave, outro sobrevivente, de uma ilha deserta no Pacífico Sul. Desaparecidos durante dois anos, tornaram-se estrelas e recebem as atenções de toda a imprensa. Mas nunca poderão contar a verdadeira história…

O público está fascinado por ambos, mas Lillian e Dave têm de regressar às suas vidas e esposos. Genevieve Randall, uma jornalista experiente e obstinada, suspeita que a história pode ser falsa e está determinada a desvendar a verdade a qualquer custo, mesmo que implique destruir as vidas de Lillian e Dave.
Uma história eletrizante que nos faz questionar a importância da sobrevivência, tanto no meio da natureza selvagem como sob os holofotes da imprensa implacável.

Opinião: Destroços conta-nos a história de dois sobreviventes de um acidente de avião, Lilian e Dave que passaram dois anos presos numa ilha deserta, ambos são casados e Lilian tem dois filhos. Na viagem ia também Margaret a sogra de Lilian, Kent o piloto e Theresa a hospedeira de bordo. 
O livro tem o seu inicío depois de Lilian e Dave terem sido resgatados, e Lilian concordou em fazer uma entrevista exclusiva para que esta possa contar as suas "mentiras" e acaba por pedir a Dave para fazer o mesmo, a história muda então entre as entrevistas e o que realmente se passou na ilha.
Para mim toda a história acabou por não me entusiasmar, acabei por não perceber o porquê de Lilian e Dave sentirem a necessidade de inventar uma grande mentira, claro que houve coisas que aconteceram na ilha que iriam prejudicar todos os envolvidos e principalmente o tipo de mentiras que foram contadas mas acho que a verdade iria ser sempre o mais benéfico para as pessoas se pudessem "curar" e seguir enfrente.
Não me consegui conectar com as personagens, acho que todo o enredo acaba por não ser cativante mesmo com todos os acontecimentos que houve na ilha, acabei por achar que algumas cenas acabaram por ser forçadas assim como o papel de vilão não foi bem construído. 
Penso que um início que poderia ser promissor, acabou por não ser bem executado, e aquele final enfim acho que não encaixa no contexto da história. 





quinta-feira, 10 de agosto de 2017

O casal do lado - Shari Lapena - Opinião - Editorial Presença



Sinopse: Cynthia disse a Anne que não levasse a filha Cora, a bebé de seis meses, para sua casa na noite do jantar para que ela e o marido Marco tinham sido convidados. Não era nada de pessoal. Ela simplesmente não suportava o choro de crianças. Marco não se opõe. Afinal, eles vivem no apartamento do lado. Têm consigo o intercomunicador e irão alternadamente, de meia em meia hora, ver como está a filha. Cora dormia da última vez que Anne a tinha ido ver. Mas, ao subir as escadas da casa em silêncio, ela depara-se com a imagem que sempre a aterrorizou. a menina desapareceu. Anne nunca tivera de chamar a polícia, antes disso. Mas agora eles estão lá, e quem sabe o que irão descobrir... do que seremos capazes, quando levados além dos nossos limites?


Opinião: O casal do lado começa com um típico jantar entre vizinhos, conhecemos os anfitriões Graham e Cynthia e os convidados os recém pais Anne e Marco. Anne desenvolveu uma grave depressão pós parto, a sua auto-estima está no fundo do poço por isso as investidas da atraente vizinha Cynthia para com o seu marido são cada vez mais difíceis de suportar.
Uma festa deveria ser divertida, mas no último momento a babysitter acaba por cancelar e não poderá tomar conta da bebé Cora e sendo que Cynthia pediu que a festa seria só para adultos a única solução do ponto de vista de Anne e Marco é levarem um monitor infantil na mão e irem verificar Cora a cada meia hora.
O que poderia acontecer de errado, já que Cora está ali ao lado, a poucos passos de distância.
Pois parece que tudo dá errado e o mundo de Anne e Marco desaba quando Cora desaparece e um turbilhão de acontecimentos vão acontecendo e todos são suspeitos.
Qual será o destino de Cora, terá sido raptada, assassinada por um ou ambos os pais ou é algo ainda pior? Pois bem, parece que quase todos estão envolvidos no caso, acabando por mentir, esconder enganar movendo-se em várias direções. A tarefa do detetive Rasbach torna-se cada vez mais complicada, segue-se surpresa atrás de surpresa acabando por ser um rastilho aceso até ao último segundo para se desvendar o que aconteceu com Cora.
O casal do lado é um fantástico livro do começo ao fim, cheio de más intenções e acções malignas que muitas vezes nos revolta sobre atitudes tomadas, mas que nos faz querer ler até à última página.





A rapariga de antes - J.P. Delaney - Opinião - Suma de Letras




Sinopse: Por favor, faça uma lista de todos os bens que considera essenciais na sua vida.»O pedido parece estranho, até intrusivo. É a primeira pergunta de um questionário de candidatura a uma casa perfeita, a casa dos sonhos de qualquer um, acessível a muito poucos. Para as duas mulheres que respondem ao questionário, as consequências são devastadoras.
EMMA: A tentar recuperar do final traumático de um relacionamento, Emma procura um novo lugar para viver. Mas nenhum dos apartamentos que vê é acessível ou suficientemente seguro. Até que conhece a casa que fica no n.º 1 de Folgate Street. É uma obra-prima da arquitectura: desenho minimalista, pedra clara, muita luz e tectos altos. Mas existem regras. O arquitecto que projectou a casa mantém o controlo total sobre os inquilinos: não são permitidos livros, almofadas, fotografias ou objectos pessoais de qualquer tipo. O espaço está destinado a transformar o seu ocupante, e é precisamente o que faz…
JANE:Depois de uma tragédia pessoal, Jane precisa de um novo começo. Quando encontra o n.º 1 de Folgate Street, é instantaneamente atraída para o espaço —e para o seu sedutor, mas distante e enigmático, criador. É uma casa espectacular. Elegante, minimalista. Tudo nela é bom gosto e serenidade. Exactamente o lugar que Jane procurava para começar do zero e ser feliz.
Depois de se mudar, Jane sabe da morte inesperada do inquilino anterior, uma mulher semelhante a Jane em idade e aparência. Enquanto tenta descobrir o que realmente aconteceu, Jane repete involuntariamente os mesmos padrões, faz as mesmas escolhas e experimenta o mesmo terror que A Rapariga de Antes. 

Opinião: Depois de sofrer uma tragédia pessoal, Jane não sabia mais o que fazer além de certas mudanças na sua vida, incluindo mudanças a respeito do seu trabalho e onde ela morava. Quando um agente imobiliário mostra a casa no nº1 Folgate Street, Jane aceita, mesmo que as perguntas feitas no acordo sejam um tanto estranhas. No entanto, quanto mais permanece no lugar, mais Jane começa a suspeitar que as coisas não são tão perfeitas quanto parecem, podendo descobrir o que aconteceu com o proprietário anterior antes que seja tarde demais, ou sofrerá o mesmo destino?
Do início ao fim, esta história foi bastante envolvente, de acontecimentos rápidos faz-nos viajar para trás e para a frente entre o passado e o presente através dos pontos de vista de Emma, uma mulher que morreu na casa onde Jane agora vive e Jane uma mulher determinada em saber o que aconteceu a Emma, especialmente agora que se está a apaixonar pelo homem que Emma namorava e com a particularidade de Jane ser muito parecida com Emma.
Emma era uma mulher muito problemática com problemas de auto-estima, muitas vezes desesperada o suficiente para mentir para salvar a sua pele em situações que ela achava que era necessário, quanto a Jane, ela é o oposto de Emma, é forte, corajosa e determinada em descobrir o que aconteceu com Emma ,não só para se proteger de dor futura, mas acreditava que Emma merecia justiça e precisava saber se o seu novo namorado representava um perigo para ela, o que era compreensível, pois este era um mistério.
Outra personagem fundamental nesta trama é Edward Monkford o arquitecto da casa, este já sofreu uma tragédia pessoal na sua vida, mas por algum motivo, parece gostar de um determindo tipo de mulheres e fará qualquer coisa com Jane, mesmo que isso signifique usar as mesmas palavras que ele usou no seu relacionamento com Emma.
Em suma, foi um bom livro de leitura rápida dado que a curiosidade era muita para perceber como aquela misteriosa casa e todo o seu ambiente envolvente iria fazer despertar os instintos de Jane. Será que irá ganhar o amor de Edward ? Será que irá descobrir o que aconteceu com Emma ?
Para leitores de thrillers psicológicos a rapariga de antes é uma boa recomendação sendo que tem um epílogo que nos faz questionar se a história se repetirá.



















quinta-feira, 6 de julho de 2017

A verdade escondida do verão passado - Sue Wallman - Topseller - Opinião




Sinopse: Uma perda dolorosa, um pesado sentimento de culpa, uma mentira sombria? Um ano depois, a verdade vem ao de cima.No verão passado, Skye perdeu a irmã num trágico acidente, e não consegue deixar de se sentir culpada pelo que aconteceu. Para ajudá-la a seguir em frente, os pais decidem que ela deve passar uns dias num campo de férias, juntamente com outros jovens.
Tudo parece correr bem; Skye faz novas amizades e participa em diferentes atividades radicais. Até ao dia em que começa a receber mensagens arrepiantes no telemóvel: alguém está a fazer-se passar pela sua falecida irmã. Assustada, Skye sente que não pode confiar em ninguém e, no campo de férias, todos são agora suspeitos.
Conseguirá Skye recuar ao passado e enfrentar os seus medos mais profundos, de forma a descobrir a verdade? Estará ela preparada para mergulhar no desconhecido?
Um thriller cheio de suspense e com um toque de romance, ideal para jovens adultos. Uma leitura intensa, fluída, ritmada, com personagens misteriosas e intrigantes, mas muito realistas


Opinião: Sinceramente com muita pena minha não me conquistou, estava à espera de um livro envolvente, capaz de me fazer ansiar pela página seguinte e não foi isso que aconteceu.
Através desta história conhecemos Skye uma jovem cuja a irmã foi assassinada e esta acaba por ir para um campo com outros jovens para lidar com a perda e o luto.
Durante a sua estadia, a nossa protagonista conhece as histórias dos outros jovens assim como as suas perdas e tentam conseguir lidar com os sentimentos da melhor maneira possível, ora é durante o seu tempo neste campo que Skye começa a receber mensagens pelo telemóvel da sua irmã falecida e se isto poderia apimentar a história desenganem-se a mim não me criou nenhuma adrenalina. 
Penso que a escritora poderia ter criados aqui vários elos que poderiam ter criado um maior suspense à narrativa principalmente com Joe e a sua história bizarra com a sua ex namorada e Faye, as mensagens enviadas pela irmã falecida também poderiam ter criado aqui um cenário interessante mas acabaram por não acrescentar nada de especial à história. 
Um outro aspeto a referir foi o facto de o final ter sido um pouco apressado dado que quando descobrimos quem andava a enviar as mensagens pensamos, tantas páginas para chegar a esta conclusão.
O ponto positivo a referir é que o livro fala sobre o luto e a perda e como este muitas vezes é um tema difícil de trabalhar e ao acompanharmos Skye estamos lado a lado com a forma como esta vai superando alguns pontos que a fazem sofrer com a morte da irmã. 
Realmente tenho pena de muitos aspectos não terem sido explorados e construídos da melhor maneira.


Leitura com o apoio da editora Topseller.