terça-feira, 10 de abril de 2018

Highlander - Para além das brumas - Opinião - Editora Saída de Emergência


Sinopse: Um Laird fascinante. Ele era conhecido por todo o reino como Açor, lendário predador de campos de batalha e alcovas. Não havia mulher capaz de recusar o seu toque, mas mulher alguma lhe fizera jamais estremecer o coração — até uma vingativa fada trazer Adrienne de Simone, aos trambolhões, da Seattle dos tempos atuais para a Escócia medieval. Cativa num século que não era o seu, ousada até mais não, sem papas na língua, ela era um desafio irresistível para o conquistador do século XVI. Coagida a casar-se com Açor, Adrienne jurou mantê-lo à distância — mas a sua doce sedução devastou tal resolução.

Uma prisioneira no tempo
Ela tinha um perfeito "não" nos seus perfeitos lábios para o famigerado laird, mas Açor jurou que ela haveria de sussurrar o seu nome com desejo, implorando a paixão que ele ansiava por inflamar dentro dela. Nem mesmo as barreiras do tempo e do espaço o deteriam na conquista do seu amor. Apesar da sua incerteza quanto a seguir os impulsos do seu coração apaixonado, as reservas de Adrienne não igualavam a determinação de Açor em mantê-la ao seu lado…

Opinião: O livro inicia com a rainha das fadas a elogiar, um mortal chamado Açor ao seu Rei e ao bobo da corte. Açor é conhecido como um lendário guerreiro e amante de centenas de mulheres, onde as suas qualidades fariam inveja a qualquer homem. O rei ciumento que a sua rainha deseje um mero mortal, ordena ao bobo da corte Adam Black uma forma de punir Açor, assim sendo Adam pondera que o melhor castigo era arranjar uma mulher que resistisse a Açor.
Conhecemos então Adrienne, uma mulher do século XX cujo o seu passado recente faz com que jure não se enamorar novamente de homens bonitos, mas numa noite estranha esta é arrancada da sua casa em Seattle e acaba por cair no colo de um homem no século XVI Red Comyn. Pensando que Adrienne foi algum tipo de milagre que caiu do céu Red Comyn coage Adrienne a passar-se pela sua filha recentemente morta a casar-se com Açor de forma a cumprir uma ordem do rei James.
Nenhuma das partes está interessada no casamento arranjado, Açor até envia seu melhor amigo Grimm, como representante do seu casamento, é claro que Açor e Adrienne são instantaneamente atraídos um pelo outro, mas nenhum deles está ansioso ou disposto a admitir isso no inicio. Para piorar a situação, Adam Black decidiu colocar-se na equação e tenta atrair Adrienne.
Este livro é  uma mistura maravilhosa de magia, humor, coisas sobrenaturais e viagens no tempo, tudo embrulhado dentro de um romance medieval.
 Os protagonistas são verdadeiramente multidimensionais, Açor é um exemplo de um verdadeiro macho alfa, é bonito, forte, masculino em todos os sentidos, mas tem um passado que o torna vulnerável. Adrienne é linda, forte e independente, uma mulher desprezada durante a sua vida presente,  mas que se reencontra no passado.
Um ponto negativo que não posso deixar de apontar, a tradução em português do Brasil acaba por vezes por atrapalhar a leitura. 
Em suma o livro tem todos os elementos de um bom romance, com uma grande mistura de encantamento, tensão sexual e bons protagonistas, se gosta deste tipo de livros pegue nesta série.

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Novos na Estante



Este mês mais uma vez foi a loucura em termos de novas aquisições, entre promoções e bons achados, estes foram as entradas em português.



Em inglês, estas foram as pechinchas que vieram cá parar aproveitei para comprar os livros referentes a séries que deixaram de ser publicadas cá em Portugal.




segunda-feira, 2 de abril de 2018

Exílio - R. A. Salvatore - Opinião - Editora Saída de Emergência





Sinopse: Após renegar a sua própria família e partir para longe de Menzoberranzan, a sua pátria, Drizzt tem que aprender a sobreviver e conquistar um novo lar no imenso labirinto dos túneis subterrâneos onde se ocultam criaturas das trevas. Mas o verdadeiro perigo parte da sua própria raça e Drizzt terá que estar atento a sinais de perseguição, pois os elfos negros não são um povo misericordioso...Venha descobrir Drizzt, o elfo negro, uma das personagens mais lendárias da fantasia. E acompanhe-o na épica e intrépida jornada para longe de um mundo onde não tem lugar... em busca de outro, na superfície, onde talvez nunca o aceitem.

Opinião: Li o primeiro livro desta trilogia já à algum tempo e lembro-me na altura que tinha gostado imenso, com uma atmosfera negra e com grandes batalhas, adorei acompanhar a história de Drizzt o elfo negro que se sente completamente à parte dos costumes da sua raça e após vários eventos acaba por renegar a família e alojar-se nos túneis subterrâneos e é aqui começamos a nova aventura.
R.A. Salvatore faz um ótimo trabalho transpondo-nos na história com Drizzt, realmente sentimos como se entendessemos os perigos que Drizzt enfrenta, cada um dos eventos que o elfo negro encontra muda-o visivelmente ao longo da história, a luta do Drizzt para se ajustar a um mundo completamente diferente, cheio de pessoas que o odeiam por causa de sua raça, é uma história detalhada e fantástica.
A coisa mais importante a salutar é a acção, existem numerosas batalhas descritivas ao longo do livro que são muito nítidas para quem está a ler.
Após décadas a viver nos túneis e com pouca interacção inteligente Drizzt acaba por desenvolver um espírito primitivo de caçador e se este já era um excelente lutador, acaba por se tornar excepcional, a única companhia que mantém é o seu amigo místico a pantera e com ele exploram e enfrentam os perigos do subterrâneo.
Por outro lado a mãe de Drizzt não esquece o que este fez, e acaba por trazer do mundo dos mortos uma criatura para procurar Drizzt e o matar. Drizzt tudo faz para fugir ao perigo, e acaba por se tornar amigo de um anão e são muitas a aventuras que vamos acompanhado com estes dois companheiros acabando por irem parar a uma sociedade sobrenatural onde se tornam escravos praticamente sem mente, e são maravilhosas as descrições das batalhas que o escritor nos proporciona.
O se não e que senti falta, foi toda a escuridão que encontramos no primeiro livro, tinha achado diferente todo aquele mundo e sociedade dos elfos negros e neste senti falta disso, gostava de ter sentido mais aquela nuvem negra à volta desta raça. 
Em suma, acabamos por conseguir criar uma conexão com o personagem principal, o senso de justiça de Drizzt e o facto de usar as suas habilidades para derrotar a injustiça, fazem-no um personagem bastante interessante, para quem gosta destes livros de fantasia com muita acção sem dúvida que recomendo.










quinta-feira, 22 de março de 2018

Don´t Tell - Karen Rose - Opinião



Sinopse: Mary Grace Winters sabia que a única forma de ela e o filho escaparem ao marido, um agente da polícia, que os maltratava, era a simulação das suas mortes. Agora, tudo o resto da sua antiga vida jaz no fundo do lago... Com uma nova identidade, numa nova cidade, encontraram um refúgio a centenas de quilómetros de distância. Quase se esqueceu do pesadelo vivido à nove anos. Até resolveu tentar a sua sorte ao amor com Max Hunter, um homem que também carrega as suas próprias feridas. Contudo, o marido descobre-os e, pouco a pouco, o perigo aproxima-se e ameaça tudo e todos.

Opinião: Caroline Stewart (também conhecida como Mary Grace Winters) é uma personagem bastante forte mas igualmente torturada, esta estava tão abatida quanto uma mulher poderia ficar, tanto fisicamente quanto emocionalmente, depois de suportar anos de abuso nas mãos do seu sádico marido policial. A coragem e a determinação que demonstrou para fugir  e fingir a sua  morte e a do seu filho para começarem uma nova vida em segredo, foram absolutamente inspiradoras.
Caroline  era uma mãe fabulosa, com um amor extraordinário pelo seu filho Tom e apesar de  todos os anos de tormento que sofreu, esta não perdeu o senso de humor e talvez mais importante,  não desistiu da ideia de algum dia encontrar alguém que a amaria da maneira que merecia.
Max é um professor de história inteligente, mas essa não foi sua primeira escolha para uma carreira,  este era  um talentoso jogador de basket cujos sonhos foram interrompidos por um trágico acidente que o deixou gravemente ferido.
Inicialmente, Max parece ser o homem perfeito, mas logo fica evidente que este ainda nutre muita culpa e auto piedade pela perda da sua carreira e pelo facto de agora estar com cicatrizes e andar com uma bengala,  é um homem gentil e carinhoso que não tem medo de expressar os seus sentimentos. 
Max e Caroline juntos formam um casal maravilhoso, mas nem tudo é um mar de rosas entre eles, porque ambos trazem muita bagagem para o relacionamento. Caroline está compreensivelmente com medo de contar a Max a verdade sobre  o seu passado e por causa das suas mágoas passadas, Max às vezes interpreta mal as suas intenções.
 Karen Rose é muito talentosa em usar coisas simples, como olhares ardentes e toques suaves para transmitir muito significado,  este livro é um óptimo exemplo de como um autor pode usar apenas cenas de amor moderadas a moderadamente descritivas, mas faz com que pareça muito mais quente ao expressar uma conexão emocional tão intensa.
Este livro tem também um incrível núcleo de personagens secundárias, o inspector Thatcher é o agente designado para investigar o desaparecimento de Mary Grace Winters, este é determinado e nunca teve medo de enfrentar Rob Winters, depois temos Tom o filho de Caroline, super protector em relação à sua mãe e tem imensa dificuldade em confiar nos homens em torno desta, é um jovem super maduro devido a tudo o que aconteceu no passado.
Depois temos Dana, a melhor amiga de Caroline esta é a voz da razão e também é uma mulher super forte devido ao seu trabalho e pelo que passou na sua vida, temos também David o irmão de Max a alavanca para a recuperação de Max.
Não posso deixar de referir o grande vilão que Karen Rose escreveu, tendo conseguido retratá-lo de forma muito real e assustadora, é um clássico abusador e sociopata que não tem consciência alguma, sendo que ao longo do livro fica cada vez mais louco, conseguimos sentir o terror que este incutiu nas suas vítimas.
Em suma, nunca tinha lido nada de Karen Rose mas sem dúvida que irei ler os outros livros, tem todos os ingredientes que nos fazem querer ler mais e mais, conseguimos sentir todas a emoções, com personagens muito bem elaboradas sem dúvida que recomendo.


quarta-feira, 14 de março de 2018

Tarte de Oreo e Limão






Ingredientes:
Base:

– 2 pacotes de Oreo
– 100g de Manteiga

Recheio:

– 3 iogurtes gregos
– 1 lata de leite condensado

– 6 folhas de gelatina incolor
– 1 limão

Preparação:

– Triture as bolachas oreo com a manteiga. Forre uma forma de fundo amovível e coloque a mistura e calque bem para ficar uniforme e leve ao frio enquanto prepara o recheio.

– Tirar a raspa do limão e o sumo e reserve.

– Coloque as folhas de gelatina em água fria durante 5 minutos.

– Bata os iogurtes com a batedeira, derreta as folhas de gelatina em banho maria, ou no microondas e junte aos iogurtes e bata para envolver bem. Enquanto bate adicione o leite condensado, o sumo do limão e maior parte das raspas de limão ( guardei algumas para decorar) .

– Deitar o preparado por cima da base de bolacha e levar ao frio até solidificar, minimo 4 horas.

– Decore com as raspas de limão que reservou e sirva bem frio.







Fonte:http://cozinhapra3.blogspot.pt




sexta-feira, 2 de março de 2018

Novos na estante - Fevereiro



Estes foram os livros que chegaram cá a casa no mês de Fevereiro, tudo boas compras a preços acessíveis e parece que tudo romance histórico.

Uma Duquesa (Im)Pefeita de Tessa Dare é o 4º livro da série Spindle Cove, ainda só li o primeiro, mas como gostei tenho ali os outros para ler, e agora com o último livro publicado espero fazer maratona brevemente

Romance com o Duque/ A Noiva do Marquês / A Prometida do Capitão mais uma vez de Tessa Dare pertecem à série Castles Ever After.

Desejo Concedido de Megan Maxwell é o primeiro livro da série As Guerreiras Maxweel até agora ainda só foram publicados 3 pela Editora Planeta, e espero que o último seja publicado brevemente.

O Conde de Katharine Ashe é o segundo livro da série Devil´s Duke.

O que acham das comprinhas? 

O Conde: https://www.goodreads.com/book/show/36354461-o-conde

Uma Duquesa (Im)Perfeita: https://www.goodreads.com/book/show/36423920-uma-duquesa-im-perfeita

Romance com o Duque: https://www.goodreads.com/book/show/25163830-romance-com-o-duque

A Noiva do Marquês: https://www.goodreads.com/book/show/26852052-a-noiva-do-marqu-s

A Prometida do Capitão: https://www.goodreads.com/book/show/28465464-a-prometida-do-capit-o

Desejo Concedido: https://www.goodreads.com/book/show/38203548-desejo-concedido?ac=1&from_search=true





quinta-feira, 1 de março de 2018

A Viúva - Fiona Barton - Opinião - Editora Planeta


Sinopse: Ao longo dos anos, Jean Taylor deixou de contar muitas coisas sobre o terrível crime que o marido era suspeito de ter cometido. Ela estava muito ocupada sendo a esposa perfeita, permanecendo ao lado do homem com quem casara enquanto convivia com os olhares acusadores e as ameaças anónimas.
No entanto, após um acidente cheio de enigmas, o marido está morto, e Jean não precisa mais representar esse papel. Não há mais motivo para ficar calada. As pessoas querem ouvir o que ela tem a dizer, querem saber como era viver com aquele homem. E ela pode contar para eles que havia alguns segredos. Afinal, segredos são a matéria que contamina (ou preserva) todo casamento.
Narrado das perspectivas de Jean Taylor, a viúva, do detetive Bob Sparkes, chefe da investigação, cuja carreira é posta em xeque pelo caso, e da repórter Kate Waters, a mais habilidosa dos jornalistas que estão atrás da verdade, o romance de Fiona Barton é um tributo aos profissionais que nunca deixam uma história, ou um caso, escapar, mesmo que ela já esteja encerrada.

Opinião: A viúva de Fiona Barton, poderia ser uma história relativamente simples, mas de simples não tem nada. Jean é a esposa de um homem com um carácter mau, e enquanto este estava vivo protegeu os seus segredos e suportou o assédio que veio por ser a esposa de um criminoso, mas tudo muda quando o marido morre, Jean pode dizer ao mundo o que era viver com aquele homem o os segredos entre marido e mulher.
A história é muito refrescante, mostra-nos os hediondos segredos e os lugares escuros que podem existir entre marido e mulher, através de capítulos que vão alternando entre vários narradores e períodos de tempo, a viúva transporta-nos para uma imagem viciante e confusa de Jean, do seu marido e do crime que foi acusado de cometer.
A personagem para mim mais bem construída é Jean, é uma mulher que passou a sua vida a ser a esposa perfeita a qualquer custo, comprometida com o papel de esposa devota que nunca colocou em causa a veracidade sobre a inocência do seu marido, mas será que Jean é inocente de verdade, será que não sabia realmente sobre a vida pessoal do seu marido?
Foi um verdadeiro desafio tentar adivinhar os verdadeiros motivos de Jean, sendo uma personagem principal multifacetada e enigmática.
Os pontos negativos que tenho que enaltecer, foi o facto de início demorei um pouco a ficar entusiasmada com história, apesar de todos os puzzles que se começavam a construir não estava a ser o suficiente para me agarrar, mas com o desenrolar começou a aparecer a enigmática Jean e foi a alavanca para a restante história, apesar de tudo penso que o fim acabou por se tornar um pouco previsível e poderia ser um pouco mais desenvolvido.
A viúva é uma história sobre a verdade e como esta pode ser manipulada e escondida, cada personagem tem o seu próprio relacionamento com a verdade por detrás do principal crime da história. Jean escondeu e alterou o seu conhecimento da verdade, a repórter Kate (personagem que menos gostei) persegue a verdade, mas apenas para seu benefício pessoal, o detective Bob é o único que realmente persegue a verdade e o marido é um autentico manipulador da verdade.
Foi interessante compreender que cada personagem pega partes da mesma verdade e manipula-a para atender às suas próprias necessidades.
Em suma um bom livro, escrito de forma engenhosa para quem gosta de thrillers.